O FANTÁSTICO NO CINEMA BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO: A REPRESENTAÇÃO ANIMALESCA DA FIGURA MATERNA NO FILME AS BOAS MANEIRAS

Enzo de Sousa Pereira, Naiara Sales Araújo

Resumo


Este trabalho tem por objetivo identificar a presença do gênero fantástico nas produções fílmicas do cinema brasileiro contemporâneo, apontando a dinâmica do gênero dentro do cenário de produções nacionais. Direciona-se, então, a uma análise mais particular do filme As Boas Maneiras (2018), dos diretores Juliana Rojas e Marco Dutra, tendo em vista os elementos tradicionais da cultura brasileira combinados com histórias clássicas de terror, apresentados como peças decisivas para a construção dos arcos narrativos e até mesmo da atmosfera fílmica. A obra será analisada a partir do caráter animalesco que é concebido à figura materna no filme, destacando-se os recursos de atribuição do protagonismo da figura materna, que nessa perspectiva tende a ganhar características de personificação animalescas, possibilitando uma total alegoria entre os elementos fantásticos e os elementos maravilhosos presentes no filme. Utilizam-se como referenciais teóricos para este trabalho a psicanalista analítica e escritora americana Clarissa Pinkola Estés, dando enfoque especial à sua obra intitulada Mulheres que Correm com os Lobos (1999) e seu conceito de arquétipo da mulher selvagem, bem como o escritor Luís Nogueira e seus apontamentos em Manuais de Cinema II: Géneros Cinematográficos (2010). Nesta discussão, inclui-se também a obra Introdução à Literatura Fantástica (1980), do filósofo e linguista Tzvetan Todorov, além de outros teóricos que debatem sobre esta temática.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.